Quando é feminino ou masculino?

 A categoria gramatical de gênero frequentemente é confundida com a noção de sexo. Cumpre lembrar que são noções distintas. O sexo é o conjunto das características que diferenciam o macho da fêmea; o gênero, em gramática, é uma categoria que distingue, em português, um nome masculino de um nome feminino, seja esse nome referente a um ser sexuado ou não.

As gramáticas, em relação à categorização do gênero, de uma maneira geral, acabam não sendo muito elucidativas, a ponto de dizerem simplesmente que são masculinos os nomes a que se pode antepor o artigo oo livro, o telefone, o relógio – e são femininos os nomes a que se pode antepor o artigo aa mesa, a cama, a pulseira.

Após a leitura dessa definição, a pergunta que se pode fazer é por que determinado substantivo é masculino e outro feminino? Qual a regra? “Sofá” é masculino (o sofá). Será que isso ocorre pelo fato de ele ser maior e mais pesado do que “a poltrona”, substantivo feminino? Claro que se percebe, na verdade, que a distinção de gênero não é, e está longe de ser, racional.

Trata-se de uma divisão absolutamente aleatória. Pode-se tentar estabelecer uma normatização, ao se perceber que a maioria dos substantivos terminados em o são masculinos e os terminados em a são femininos. Pense em “o banco” e “a cadeira”. Essa é uma verdade, mas sobram os nomes terminados por outras vogais e consoantes. Como explicar, então, o fato de “cabide” ser masculino (o cabide) e “parede” ser feminino (a parede)? Há ainda as exceções (o mapa, a união)… E o estrangeiro sofre, quando deixa “o chave cair na chão”, tentando entender o inexplicável.

Pelo fato de a distinção de gênero ser aleatória, ela varia de língua para língua. No alemão, por exemplo, não existem dois, mas três gêneros: masculino, feminino e neutro. No latim também ocorria essa divisão. Em línguas próximas ao português como o francês, o espanhol e o italiano, há diferenças. “O mar”, masculino em português, é feminino em francês (la mer), a nossa “ponte” é il ponte em italiano, e “a arte” é palavra masculina em espanhol (el arte).

Classificação questionável
Isso quer dizer que, para aprender a classificar os substantivos de acordo com o gênero, é necessário memorizá-lo, determinando-o com um artigo: o clima, o sol, a lua, o trovão, a tempestade… Esse aprendizado ocorre desde a infância. Ao decorar o nome de um objeto, a criança já caracteriza seu gênero sabendo que seus brinquedos são a bola, o balde, a boneca, o carrinho…

Volto a insistir que a categoria de gênero é uma noção gramatical, que não tem a ver com sexo. Prova-se essa afirmação, verificando-se que “vítima”, por exemplo, é um substantivo feminino (a vítima), seja ela um homem ou uma mulher.

Como se não bastasse a dificuldade de caracterização em que o uso acaba se pautando mesmo na tradição, as gramáticas normativas, seguindo a Nomenclatura Gramatical Brasileira, apresentam uma classificação bastante questionável, falando em substantivos epicenos, sobrecomuns e comuns de dois. Além disso, percebe-se que muitos manuais falam em correspondência entre masculino e feminino por heteronímia (homem/mulher) ou sufixação (galo/galinha). Na verdade, muitos nomes que pouco esclarecem.

Categorias
Aceita a questão da aleatoriedade do gênero, resta perceber que, em português, há, por um lado, substantivos na língua que são sempre masculinos (livro, sofá) e substantivos que são sempre femininos (mesa, cadeira). Por outro lado, há pares de substantivos em que se verifica para uma forma masculina, uma forma feminina correspondente.

Para facilitar a compreensão de como ocorre a categorização de gênero em português e evitar nomes desnecessários, analisemos os pares: o gato/ a gata; o homem/ a mulher; o galo/ a galinha; o tatu (macho)/ o tatu (fêmea); o estudante/ a estudante.

No primeiro caso, o par gato/gata mostra o processo de flexão de gênero. O o final de “gato” dá lugar ao a de “gata”, mantendo-se o mesmo radical. Pode-se dizer que são formas diferentes da mesma palavra marcadas pela oposição o/a. O mesmo ocorre com menino/menina, lobo/loba. Em autor/autora, peru/perua, a oposição se dá entre um vazio que marca o masculino (autor + Ø) e o a que marca o feminino (autor + a). Não deixa de ser um caso de flexão.

No segundo caso, as duas palavras, “homem” e “mulher” apenas se correlacionam semanticamente. Dizer que “mulher” é o feminino de “homem” é confundir flexão de gênero com um processo de analogia semântica entre duas palavras da língua. Nesse caso não há flexão e pode-se dizer que “homem” é uma palavra de gênero masculino e “mulher” uma palavra de gênero feminino.

Sufixos correspondentes
Observando o par galo/galinha vê-se que a correspondência ocorre pela sufixação. À forma masculina “galo” foi acrescentado o sufixo -inha para formar-se “galinha”. Também aqui não se pode falar em flexão, pois uma palavra foi formada a partir de outra, uma é derivada da outra. A correspondência entre a palavra masculina “galo” e a feminina “galinha” ocorre por derivação.

Em o tatu macho/ o tatu fêmea, percebe-se pelo uso do artigo que “tatu” é uma palavra masculina que não sofre flexão de gênero. O mesmo ocorre com “jacaré”.

O último par (o estudante/ a estudante) mostra que a oposição masculino/feminino se dá apenas pela variação do determinante (artigo). O mesmo ocorre com “dentista” e “repórter”. Também não há flexão. Parece que, nesse caso, isso é evidente, uma vez que a forma da palavra (estudante) sequer variou.

O problema maior é estabelecer até que ponto os substantivos devem ser comuns de dois gêneros e até que ponto devem sofrer a flexão de gênero. Percebe-se, principalmente no que diz respeito aos nomes que denominam profissões ou cargos, que há uma necessidade de marcar o feminino.

Essa necessidade surge do uso. Como até há pouco tempo a mulher exercia poucas profissões, esses problemas não apareciam na língua, mas à medida que a mulher foi entrando no mercado de trabalho surgiram necessidades e as primeiras confusões.

São comuns de dois os substantivos “assistente” (o assistente/ a assistente), “estudante” (o estudante/ a estudante), mas já se aceita a flexão em “presidente” (o presidente/ a presidenta). Se “presidenta” não causa mais estranhamento, o que dizer das formas dicionarizadas “oficiala” e “sargenta”? O feminino de “cabo” seria, então, “caba”? Isso acaba com qualquer um. Mesmo porque certos femininos soam como pejorativos. “Chefa” é um bom exemplo.

Tipos de substantivos
Por que todo esse problema? Porque parece ser necessário associar gênero feminino a sexo feminino.
Confusões maiores surgem quando as formas femininas são idênticas aos nomes das ciências ou disciplinas. O músico/ a música, o químico/ a química, o gramático/ a gramática. “Música”, “química”, “gramática” são mulheres? Confuso, não é? Apela-se então para a sufixação: o músico, a musicista. Parece artificial? Cecília Meireles queria ser chamada de “poeta” e não de “poetisa”…

Sem mais divagações, a partir dessa análise chega-se à conclusão de que em português há os seguintes tipos de substantivos:

1) os substantivos de gênero único que não sofrem flexão:
femininos: o sofá, a cadeira, a mulher, a onça, a galinha;
masculinos: o livro, o sofá, o homem, o tatu, o galo.
2) os substantivos de dois gêneros:
que não sofrem flexão: o estudante/ a estudante, o dentista/ a dentista;
que sofrem flexão: o gato/ a gata, o menino/ a menina, o lobo/ a loba.
fonte: revistalingua.uol.com.br

 

Flexão de género dos substantivos

Terminação (regras gerais) Feminino Exemplos
-o átono muda para -a aluna, gata
-consoante acrescenta -a autora, burguesa
Terminação (particularidades) Feminino Exemplos
-ão muda para -oa, -ã, -ona leoa, patroa, aldeã, cidadã, comilona, sabichona
-or muda para -eira bordadeira
-dor, -tor (alguns casos) muda para -triz atriz, imperatriz
-eu muda para -eia ateia, europeia
-e não muda (tem excepções: elefanta, infanta) cliente, amante

Masculinos e femininos de radicais diferentes

Alguns substantivos têm uma forma para indicar os seres do sexo masculino e outra para os do sexo feminino. Assim:

Masculinos e femininos de radicais diferentes
Masculino Feminino
Bode Cabra
Boi Vaca
Cão Cadela
Carneiro Ovelha
Cavalheiro Dama
Cavalo Égua
Compadre Comadre
Frei Sóror ou soror
Genro Nora
Homem Mulher
Macho Fêmea
Marido Mulher
Padrasto Madrasta
Padrinho Madrinha
Pai Mãe
Zangão Abelha

Deja un comentario

Archivado bajo Uncategorized

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s