CURIOSIDADES DO IDIOMA

Qual a maior palavra da língua portuguesa?
A maior palavra da língua portuguesa possui 46 letras e ganhou registro definitivo em 2001, quando apareceu no dicionário Houaiss. Estamos falando depneumoultramicroscopicossilicovulcanoconiótico. Antes, o título pertencia ao advérbio “anticonstitucionalissimamente”, que tem 29 letras e descreve algo que é feito contra a constituição. O vice era “oftalmotorrinolaringologista”, com 28 letras, que se refere ao especialista nas doenças dos olhos, ouvidos, nariz e garganta.
O Houaiss é o campeão de palavras na língua portuguesa, mas não traz, por exemplo, palavras da química que têm dezenas de sílabas, usadas para definir compostos. Uma delas é “tetrabromometacresolsulfonoftaleína”, que tem 35 letras e indica um corante usado em reações. “Palavras como essa são muito específicas e só aparecem em glossários de terminologia química”, diz o filólogo Mauro Villar, do Instituto Antônio Houaiss.
Entenda cada parte desse vocábulo de 46 letras

Pnmeumoultramicroscópico
Pneumo – Pulmão
Ultra – Fora de
Microscópico – Muito pequeno
Silicovulcanoconiótico
Sílico – Vem de silício, um elemento químico presente no magma vulcânico
Vulcano – Vindo de um vulcão
Coniótico – Vem de coniose, doença causada por inalação de pós em suspensão no ar
Tudo isso junto…
Pessoa que sofre de uma doença pulmonar, a pneumoconiose, causada pela aspiração de cinzas vulcânicas!

Fonte: Mundo Estranho
Como surgiu a cedilha?

Embora tenha deixado de ser empregada na grafia da língua espanhola, a cedilha surgiu na Espanha.  A origem da palavra vem de “cedilla”, diminutivo de “ceda”, nome da letra “z” nesse idioma. Primitivamente, a cedilha era um pequeno “z” que se colocava debaixo do “c” para indicar que a letra correspondia ao som de [s].
O castelhano abandonou o uso da cedilha no século 18, a qual foi substituída por “z” ou “c” simples antes de “e” e “i”. A cedilha ainda  é utilizada em português, catalão e francês  para gerar o som [s] antes de “a”, “o” e “u”.
Exemplos: criança, preço, açúcar.
De onde vêm os termos “carioca” e “gaúcho”?
Os termos brasileiros que definem origens regionais sem fazer referência direta à região nasceram por diferentes motivos. O mais comum é a influência de outras línguas que conviveram com o português ao longo da história do país, como o tupi e o espanhol platino – falado na região do rio Prata, divisa entre Argentina e Uruguai. Mas existem outras razões. Até mesmo hábitos alimentares e fardas militares ajudaram a dar nomes curiosos para cidadãos dos lugares citados abaixo. Confira:
Barriga-verde
Faz parte da tradição cultural de Santa Catarina dizer que as pessoas nascidas no estado são chamados de barrigas-verdes por causa do hábito de beber erva-mate. Para os historiadores, porém, o nome vem do colete verde usado pelos soldados de um batalhão de fuzileiros catarinenses, criado pelo brigadeiro Silva Pais no século XIX.
Gaúcho
A origem da palavra é incerta. Ela existe também na língua espanhola e supõe-se que tenha nascido na região platina, entre o Uruguai e a Argentina, para designar os habitantes das zonas rurais que se dedicavam à criação de gado nos pampas. Os moradores do Rio Grande do Sul teriam herdado o apelido pela proximidade com os dois países.
Carioca
O termo vem de duas palavras tupi: kara’iwa (“homem branco”) e oka (“casa”), que, juntas, significam “casa do homem branco”. Os índios passaram a usar a expressão logo após a fundação do Rio de Janeiro, para se referir à cidade. Como apelido para os moradores, o termo só começou a ser usado a partir do século XVIII.
Capixaba
Quem nasce no estado do Espírito Santo recebe esse nome por influência da língua tupi, na qual kapixaba significa “terra de plantação”. O motivo é que havia, na região, muitas roças que abasteciam de alimento as tribos indígenas locais.
Soteropolitano
É incrível, mas o nome de quem nasce na capital baiana vem do grego! Nessa língua, soter significa “protetor” ou “salvador”, enquanto polis quer dizer “cidade”.
Potiguar
O termo para quem nasceu no Rio Grande do Norte, assim como suas variantes “pitiguar” e “pitiguara”, também vem da língua indígena tupi. A palavra original Poti’war significa “aquele que come camarão”, crustáceo encontrado com fartura no litoral do estado.

Fonte: Mundo Estranho

Quando surgiram os sinais de pontuação?
A maioria dos sinais de pontuação apareceu na Europa entre os séculos XIV e XVII. Eles nasceram para facilitar a leitura e a compreensão dos textos. O período em que as primeiras vírgulas, pontos de interrogação e dois-pontos surgiram coincide com o momento em que o hábito de ler, praticamente restrito aos monges na Idade Média, crescia com o surgimento da impressão tipográfica.

O grande ancestral da pontuação, porém, apareceu bem antes. O ponto já era usado no antigo Egito em textos poéticos e no ensino de crianças na escrita hierática – espécie de letra de forma que simplificava os complexos hieróglifos. À medida que os jovens ficavam mais fluentes na leitura, os pontos eram retirados.

Os usos e funções dos sinais de pontuação também variaram muito ao longo dos séculos. “O ponto, por exemplo, nem sempre marcou a conclusão de uma ‘ideia completa’. Na Idade Média, ele era inserido antes do nome dos heróis ou de personagens importantes da narrativa, por questões de respeito ou apenas enfatização.
Quando surgiu?
Ponto final (.)
3000 a.C.
Interrogação (?) / Exclamação (!)
Século XIV
Vírgula (,) / Ponto e vírgula (;)
Século XV
Dois-pontos (:)
Século XVI
Aspas (“”)
Século XVII

Deja un comentario

Archivado bajo Uncategorized

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s