Futuros

Indicativo

Futuro do presente composto

Assinala um fato posterior ao tempo atual, mas anterior a outro fato futuro.
Exemplo:
“Até meus bisnetos nascerem, eu terei me aposentado“.
“Quando ele chegar, já terei saído.


Futuro do Indicativo

Emprega-se o futuro do Indicativo para assinalar uma ação que ocorrerá no futuro relativamente ao momento em que se fala.
  • Quando eleito, lutarei pelos menores carentes.
  • “… era Vadinho, herói indiscutível, jamais outro virá tão íntimo das estrelas,… ” (Jorge Amado, Dona Flor e Seus Dois Maridos)
  • “A qual escolherei, se, neste estado,
    Eu não sei distinguir esta daquela?” (Alvarenga Peixoto, Jôninha e Nice).
Exemplos de futuro composto:
  • Ele vai fazer (fará) compras e vai voltar (voltará) em breve.


Futuro do Pretérito 

Emprega-se o futuro do pretérito para assinalar:
  • Um facto futuro em relação a outro no passado
    • “Se eu morresse amanhã, viria ao menos
      Fechar meus olhos minha triste irmã;
      Minha mãe de saudades morreria. (Álvares Azevedo, Se Eu Morresse Amanhã).
  • Uma ironia ou um pedido de cortesia:
    • Daria para fazer silêncio!
    • Poderia fazer o favor de sair!?


Subjuntivo


Futuro

Emprega-se o futuro do subjuntivo para assinalar uma possibilidade a ser concluída em relação a um fato no futuro, uma ação vindoura, mas condicional a outra ação também futura.
  • Quando eu voltar, saberei o que fazer.
  • Quando os sinos badalarem nove horas, voltarei para casa.
Também pode indicar uma condição incerta, presente ou futura.
  • Se ele estiver lá amanhã, certamente ela também estará.
É a formação de locução verbal com o auxiliar ter ou haver no Futuro do Subjuntivo simples e o principal no particípio, tendo o mesmo valor que o Futuro do Subjuntivo simples.
Por exemplo:
Quando você tiver terminado sua série de exercícios, eu caminharei 6 Km.

Deja un comentario

Archivado bajo Uncategorized

Verbos

Verbos

Características dos verbos regulares e irregulares

Jorge Viana de Moraes*
Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação
Quanto à flexão, os verbos são classificados em: regular, irregular, defectivo e abundante. Neste texto, abordaremos apenas as duas primeiras classificações, ou seja, a regular e a irregular.

Os chamados verbos regulares são aqueles que se flexionam seguindo o modelo que representa o tipo comum de conjugação, isto é, o paradigma.

Tomemos como exemplo os verbos cantar, vender e partir como paradigmas da 1ª, 2ª e 3ª conjugação, respectivamente. Eles são verbos regulares porque o radical de cada um deles se mantém em todas as formas do paradigma, além de suas terminações seguirem o modelo da conjugação a que pertencem.

Já os verbos irregulares são aqueles que, em algumas formas, apresentam modificações no radical ou na flexão, afastando-se, assim, do modelo da conjugação a que pertencem.

Infinitivo Terminação Radical
cantar -ar cant-
vender -er vend-
partir ir part

Nota-se, a partir dos exemplos abaixo, que todos os verbos regulares da 1ª conjugação formam os seus tempos como cantar; os da 2ª, como vender; e os da 3ª, como partir.

Verbo Copiar (1ª Conjugação)
Modo Indicativo
Presente Eu copio, Tu copias, Ele copia, Nós copiamos, Vós copiais, Eles copiam.
Pretérito Imperfeito Copiava, copiavas, copiava, copiávamos, copiáveis, copiavam.
Pretérito Perfeito Copiei, copiaste, copiou, copiamos, copiastes, copiaram.
Mais-que-perfeito Copiara, copiaras, copiara, copiáramos, copiáreis, copiaram.
Futuro do Presente Copiarei, copiarás, copiará, copiaremos, copiareis, copiarão.
Futuro do Pretérito Copiaria, copiarias, copiaria, copiaríamos, copiaríeis, copiariam.
Modo Subjuntivo
Presente Copie, copies, copie, copiemos, copieis, copiem.
Imperfeito Copiasse, copiasses, copiasse, copiássemos, copiásseis, copiassem.
Futuro Copiar, copiares, copiar, copiarmos, copiardes, copiarem.
Modo Imperativo
Afirmativo Copia, copie, copiemos, copiai, copiem.
Negativo Não copies, não copie, não copiemos, não copieis, não copiem.
Formas Nominais
Infinitivo impessoal Copiar.
Infinitivo pessoal Copiar, copiares, copiar, copiarmos, copiardes, copiarem.
Gerúndio Copiando.
Particípio Copiado.

Verbo Vencer (2ª Conjugação)
Modo Indicativo
Presente Eu venço, Tu vences, Ele vence, Nós vencemos, Vós venceis, Eles vencem.
Pretérito Imperfeito Vencia, vencias, vencia, vencíamos, vencíeis, venciam.
Pretérito Perfeito Venci, venceste, venceu, vencemos, vencestes, venceram.
Mais-que-perfeito Vencera, venceras, vencera, vencêramos, vencêreis, venceram.
Futuro do Presente Vencerei, vencerás, vencerá, venceremos, vencereis, vencerão.
Futuro do Pretérito Venceria, vencerias, venceria, venceríamos, venceríeis, venceriam.
Modo Subjuntivo
Presente Vença, venças, vença, vençamos, vençais, vençam.
Imperfeito Vencesse, vencesses, vencesse, vencêssemos, vencêsseis, vencessem..
Futuro Vencer, venceres, vencer, vencermos, vencerdes, vencerem.
Modo Imperativo
Afirmativo Vence, vença, vençamos, vencei, vençam.
Negativo Não venças, não vença, não vençamos, não vençais, não vençam.
Formas Nominais
Infinitivo impessoal Vencer.
Infinitivo pessoal Vencer, venceres, vencer, vencermos, vencerdes, vencerem.
Gerúndio Vencendo.
Particípio Vencido.

Verbo Distinguir (3ª Conjugação)
Modo Indicativo
Presente Eu distingo, Tu distingues, Ele distingue, Nós distinguimos, Vós distinguis, Eles distinguem.
Pretérito Imperfeito Distinguia, distinguias, distinguia, distinguíamos, distinguíeis, distinguiam.
Pretérito Perfeito Distingui, distinguiste, distinguiu, distinguimos, distinguistes, distinguiram.
Mais-que-perfeito Distinguira, distinguiras, distinguira, distinguíramos, distinguíreis, distinguiram.
Futuro do Presente Distinguirei, distinguirás, distinguirá, distinguiremos, distinguireis, distinguirão.
Futuro do Pretérito Distinguiria, distinguirias, distinguiria, distinguiríamos, distinguiríeis, distinguiriam.
Modo Subjuntivo
Presente Distinga, distingas, distinga, distingamos, distingais, distingam.
Imperfeito Distinguisse, distinguisses, distinguisse, distinguíssemos, distinguísseis, distinguissem.
Futuro Distinguir, distinguires, distinguir, distinguirmos, distinguirdes, distinguirem.
Modo Imperativo
Afirmativo Distingue, distinga, distingamos, distingui, distingam.
Negativo Não distingas, não distinga, não distingamos, não distingais, não distingam.
Formas Nominais
Infinitivo impessoal Distinguir.
Infinitivo pessoal Distinguir, distinguires, distinguir, distinguirmos, distinguirdes, distinguirem.
Gerúndio Distinguindo.
Particípio Distinguido.

Quando se diz que os verbos regulares mantêm o mesmo radical em todas as formas não significa que ele não possa apresentar alterações gráficas. Sobre esse aspecto, Celso Cunha e Lindley Cintra (em Nova Gramática do Português Contemporâneo, Editora Nova Fronteira) chamam a atenção no sentido de não se confundir irregularidade verbal com certas discordâncias gráficas que aparecem em formas do mesmo verbo e que visam apenas a indicar-lhes a uniformidade de pronúncia dentro das convenções do nosso sistema de escrita.

Assim, de acordo com esses mesmos autores, os verbos da 1ª conjugação cujos radicais terminem em -c e -g mudam tais letras, respectivamente, em -qu-c e -gusempre que se lhes segue um -e:
ficar – fiquei
justiçar – justicei
chegar – cheguei

Já os verbos da 2ª e da 3ª conjugação cujos radicais terminem em -c-g e -gu mudam tais letras, respectivamente, em -j e -g sempre que se lhes segue um -o ou um -a. É o que se dá com o verbo vencer, apresentado acima como exemplo da segunda conjugação (vencer – venço – vença), e o verbo distinguir, apresentado como exemplo da terceira conjugação (distinguir – distingo – distinga) além de outros, como abaixo se vê:
tanger – tanjo – tanja
erguer – ergo – erga
restringir – restrinjo – restrinja

Verbos irregulares

Como já se disse, os verbos irregulares se afastam do paradigma, apresentando alterações ou no radical ou na flexão:
a) variação no radical em comparação com o infinitivo: ouvir – ouço; dizer – digo; perder – perco; caber – caibo;
b) variação na flexão: estou – estás.

Cunha e Cintra nos apresentam uma descrição mais detida, por exemplo, da 1ª pessoa do PRESENTE DO INDICATIVO dos verbos dar e medir. Vejamos mais uma vez as observações desses autores:

a) a forma dou não recebe a desinência normal -o da referida pessoa;
b) a forma meço apresenta o radical meç-, distinto do radical med- que aparece no INFINITIVO e em outras formas do verbo: med-irmed-esmed-imed-ira, etc. Sendo assim, os verbos dar e medir são verbos irregulares.

No entanto, se examinarmos o PRETÉRITO IMPERFEITO DO INDICATIVO dos verbos em questão, como nos orientam os referidos autores, observaremos que as formas:

a) davadavasdavadávamosdáveisdavam se enquadram no paradigma dos verbos regulares da 1ª conjugação; e
b) mediamediasmediamedíamosmedíeismediam, por sua vez, incorporam-se ao paradigma dos verbos regulares da 3ª conjugação.

Desta forma, conclui-se que num verbo irregular podem ocorrer determinadas formas perfeitamente regulares.

Descrição desse tipo foi o que, certamente, levou Joaquim Mattoso Câmara Jr. (emEstrutura da Língua Portuguesa, Editora Vozes) à seguinte constatação: “o que nossas gramáticas alinham, em ordem alfabética, como ‘verbos irregulares’, deve ser entendido como um desvio do padrão geral morfológico, que não deixa de ser ‘regular’, no sentido de que é suscetível a uma padronização também”.

A partir dessas observações, apesar de tradicionalmente classificarmos alguns verbos como irregulares, é necessário que se façam deles uma descrição mais detalhada, para que, assim, possamos ter um melhor conhecimento da sistematicidade da língua. Fica a reflexão.

*Jorge Viana de Moraes é professor universitário em cursos de graduação e pós-graduação na área de Letras. Atualmente, mestrando em Língua Portuguesa e Filologia pela Universidade de São Paulo.

Deja un comentario

Archivado bajo curso de Portugues, verbos

Curso de Portugués: CURIOSIDADES DO IDIOMA

Curso de Portugués: CURIOSIDADES DO IDIOMA

Deja un comentario

Archivado bajo Uncategorized

Vozes verbais


Conversão da Voz Ativa na Voz Passiva
Pode-se mudar a voz ativa na passiva sem alterar substancialmente o sentido da frase.
Por exemplo:
Gutenberg inventou a imprensa (Voz Ativa)
Sujeito da Ativa Objeto Direto
A imprensa foi inventada por Gutenberg (Voz Passiva)
Sujeito da Passiva Agente da Passiva


Observe que o objeto direto será o sujeito da passiva, o sujeito da ativa passará a agente da passiva e o verbo ativo assumirá a forma passiva, conservando o mesmo tempo. Observe mais exemplos:

– Os mestres têm constantemente aconselhado os alunos.

Os alunos têm sido constantemente aconselhados pelos mestres.
– Eu o acompanharei.
Ele será acompanhado por mim.


Obs.: quando o sujeito da voz ativa for indeterminado, não haverá complemento agente na passiva.
Por exemplo:

– Prejudicaram-me.
Fui prejudicado.

Saiba que:
1) Aos verbos que não são ativos nem passivos ou reflexivos, são chamadosneutros.
Por exemplo:

O vinho é bom.
Aqui chove muito.

2) Há formas passivas com sentido ativo:
Por exemplo:

É chegada a hora. (= Chegou a hora.)
Eu ainda não era nascido. (= Eu ainda não tinha nascido.)
És um homem lido e viajado. (= que leu e viajou)

3) Inversamente, usamos formas ativas com sentido passivo:
Por exemplo:

Há coisas difíceis de entender. (= serem entendidas)
Mandou-o lançar na prisão. (= ser lançado)

4) Os verbos chamar-se, batizar-se, operar-se (no sentido cirúrgico) e vacinar-se são considerados passivos, logo o sujeito é paciente.
Por exemplo:

Chamo-me Luís.
Batizei-me
 na Igreja do Carmo.
Operou-se
 de hérnia.
Vacinaram-se
 contra a gripe.

Deja un comentario

Archivado bajo Uncategorized

Fanaticos por Portugués BRASILClases de Portugues

Fanaticos por Portugués BRASILClases de Portugues.

Deja un comentario

Archivado bajo Uncategorized

Ortógrafia uso do ç, s, ss, z, x…

Ortógrafia uso do ç, s, ss, z, x…
Regras Sobre o Uso de ç, s, ss, z, x…
Grupo 01
a) Usa-se ç em palavras derivadas de vocábulos terminados em TO:
intento = intenção
canto = canção
exceto = exceção
junto = junção
b) Usa-se ç em palavras terminadas em TENÇÃO referentes a verbos derivados de TER:
deter = detenção
reter = retenção
conter = contenção
manter = manutenção c) Usa-se ç em palavras derivadas de vocábulos terminados em TOR:
infrator = infração
trator = tração
redator = redação
setor = seção
d) Usa-se ç em palavras derivadas de vocábulos terminados em TIVO:
introspectivo = introspecção
relativo = relação
ativo = ação
intuitivo – intuição
e) Usa-se ç em palavras derivadas de verbos dos quais se retira a desinência R:
reeducar = reeducação
importar = importação
repartir = repartição
fundir = fundição
f) Usa-se ç após ditongo quando houver som de s:
eleição
traição
Grupo 02
a) Usa-se s em palavras derivadas de verbos terminados em NDER ou NDIR:
pretender = pretensão, pretensa, pretensioso
defender = defesa, defensivo
compreender = compreensão, compreensivo
repreender = repreensão
expandir = expansão
fundir = fusão
confundir = confusão
b) Usa-se s em palavras derivadas de verbos terminados em ERTER ou ERTIR:
inverter = inversão
converter = conversão
perverter = perversão
divertir = diversão c) Usa-se s após ditongo quando houver som de z:
Creusa
coisa
maisena
d) Usa-se s em palavras terminadas em ISA, substantivos femininos:
Luísa
Heloísa
Poetisa
Profetisa
Obs: Juíza escreve-se com z, por ser o feminino de juiz, que também se escreve com z.
e) Usa-se s em palavras derivadas de verbos terminados em CORRER ou PELIR:
concorrer = concurso
discorrer = discurso
expelir = expulso, expulsão
compelir = compulsório
f) Usa-se s na conjugação dos verbos PÔR, QUERER, USAR:
ele pôs
ele quis
ele usou
g) Usa-se s em palavras terminadas em ASE, ESE, ISE, OSE:
frase
tese
crise
osmose

Exceções: deslize e gaze.

h) Usa-se s em palavras terminadas em OSO, OSA:
horrorosa
gostoso
Exceção: gozo

Grupo 03 a) Usa-se o sufixo indicador de diminutivo INHO com s quando esta letra fizer parte do radical da palavra de origem; com z quando a palavra de origem não tiver o radical terminado em s:
Teresa = Teresinha
Casa = casinha
Mulher = mulherzinha
Pão = pãozinho
b) Os verbos terminados em ISAR serão escritos com s quando esta letra fizer parte do radical da palavra de origem; os terminados em IZAR serão escritos com z quando a palavra de origem não tiver o radical terminado em s:
improviso = improvisar
análise = analisar
pesquisa = pesquisar
terror = aterrorizar
útil = utilizar
economia = economizar
c) As palavras terminadas em ÊS e ESA serão escritas com s quando indicarem nacionalidade, títulos ou nomes próprios; as terminadas em EZ e EZA serão escritas com z quando forem substantivos abstratos provindos de adjetivos, ou seja, quando indicarem qualidade:
Teresa
Camponês
Inglês
Embriaguez
Limpeza
Grupo 04
a) Os verbos terminados em CEDER terão palavras derivadas escritas com CESS:
exceder = excesso, excessivo
conceder = concessão
proceder = processo
b) Os verbos terminados em PRIMIRterão palavras derivadas escritas com PRESS:
imprimir = impressão
deprimir = depressão
comprimir = compressa
c) Os verbos terminados em GREDIRterão palavras derivadas escritas com GRESS:
progredir = progresso
agredir = agressor, agressão, agressivo
transgredir = transgressão, transgressor
d) Os verbos terminados em METERterão palavras derivadas escritas com MISSou MESS:
comprometer = compromisso
prometer = promessa
intrometer = intromissão
remeter = remessa
Grupo 05
a) Escreve-se com j a conjugação dos verbos terminados em JAR:
Viajar = espero que eles viajem
Encorajar = para que eles se encorajem
Enferrujar = que não se enferrujem as portas
b) Escrevem-se com j as palavras derivadas de vocábulos terminados em JA:
loja = lojista
canja = canjica
sarja = sarjeta
gorja = gorjeta
c) Escrevem com j as palavras de origem tupi-guarani.
Jiló
Jibóia
Jirau
Grupo 06
a) Escrevem-se com g as palavras terminadas em ÁGIO, ÉGIO, ÍGIO, ÓGIO, ÚGIO:
pedágio
sacrilégio
prestígio
relógio
refúgio
b) Escrevem-se com g os substantivos terminados em GEM:
a viagem
a coragem
a ferrugem
Exceções: pajem, lambujemc) Palavras iniciadas por ME serão escritas com x:
Mexerica
México
Mexilhão
Mexer

Exceção: mecha de cabelosd) As palavras iniciadas por EN serão escritas com x, a não ser que provenham de vocábulos iniciados por ch:
Enxada
Enxerto
Enxurrada
Encher – provém de cheio
Enchumaçar – provém de chumaçoe) Usa-s x após ditongo:
ameixa
caixa
peixe

Exceções: recauchutar, guache

Deja un comentario

Archivado bajo Uncategorized

Bem Portugués Curso de Portugués!

ESTE BLOG ES PARA QUIEN ESTA APRENDIENDO PORTUGUÉS Y NECESITA DE AYUDA, AQUÍ ENCONTRARAS DIVERSOS TEMAS DE ESTUDIO, MÚSICAS, VÍDEOS, EJERCICIOS Y MUCHAS CONVERSACIÓN.

Deja un comentario

Archivado bajo Uncategorized